Container

Palácio do Comércio

Endereço: Rua Sete de Setembro, 274/7º andar - Centro - Pelotas - RS

Telefone: (53) 3307-0313 - - Twitter: @pelotas13horas

Programa: Pelotas 13 Horas, onde o debate é livre e a opinião independente

Plataforma Portais Eletrônicos

Identifique-se

Painel de Controle

Mala Direta

Clayton Rocha - Trajetória

    Da redação

    Presídios da Zona Sul estão com taxas de ocupação acima da média nacional

    Publicado 10/10

    Cinco dos seis estabelecimentos prisionais que compõem a 5ª Região Penitenciária estão com suas taxas de ocupação acima da média nacional. O Boletim Técnico elaborado pelo Grupo Interdisciplinar de Trabalho e Estudos Criminais-Penitenciários (GITEP) da Universidade Católica de Pelotas (UCPel) demonstra ainda que mesmo a região sendo responsável por 7,6% da população encarcerada do estado, é a que menos conta com estabelecimentos prisionais.   

    O coordenador do Programa de Pós-Graduação em Políticas Sociais e Direitos Humanos (PPGPSDH/UCPel), Luiz Antônio Bogo Chies, destaca que a 5ª região é a segunda colocada na taxa de ocupação no RS, ficando atrás apenas da Região Alto Uruguai. “Entretanto, a Região Sul fica atrás por menos de um ponto percentual”, completa.

    Formada por estabelecimentos localizados nos municípios de Camaquã, Canguçu, Jaguarão, Pelotas, Rio Grande e Santa Vitória do Palmar, na 5ª região apenas o Presídio Estadual de Canguçu está abaixo da média nacional, que tem taxa de ocupação em 197,8%. Em Camaquã, por exemplo, o presídio de 94 vagas tem 285 presos, (taxa 303,2%); Jaguarão com 38 vagas possui 102 presos (268,4%) e Pelotas, com 382 tem 1.018 presos (266,5%). 

    Mesmo sendo importante para o contexto estadual, a Zona Sul não tem recebido uma proporcional atenção dos órgãos governamentais responsáveis pela gestão dos serviços penais, completa Chies. “O quadro das taxas de ocupação nos estabelecimentos prisionais da região é superior à maioria das médias estaduais no Brasil. Significa a agonia do Sistema Prisional no sul do estado”, avalia.

    Para chamar a atenção à problemática, um movimento capitaneado pelo Poder Judiciário e pela sociedade civil emerge como alternativa ao descaso da política penitenciária no estado. “Queremos evitar que a Zona Sul se torne um ambiente propício ao avanço das facções criminais. Só em Pelotas existem três grupos envolvidos em disputas de territórios e galerias prisionais”, comentou.

    Na agenda proposta pelo grupo constam itens como ampliação do protagonismo municipal; favorecimento da atuação multisetorial e interinstitucional, envolvendo instituições públicas e privadas; reconhecimento da cidadania de presos; valorização dos servidores penitenciários; colaboração – mas não substituição – em relação aos compromissos do governo estadual;  proatividade nas políticas penais de âmbito municipal.

    O grupo, denominado Fórum Regional, é composto pela Vara Regional das Execuções Criminais (com jurisdição em Camaquã, Canguçu, Jaguarão, Pelotas e Rio Grande) e Conselho da Comunidade da Execução Penal da Comarca de Pelotas (atuando em parceria com grupos de pesquisa da UCPel e UFPel).

    O Boletim Técnico completo está disponível neste link

    Leia mais sobre: Da redação, Geral, Notícias Locais

    Fonte: Rita Wicth

    Compartilhe

    Delicious Digg Google Bookmarks Mixx MySpace Reddit Sphinn StumbleUpon Technorati RSS

    Deixe um comentário

    ATENÇÃO: O comentário não exige identificação e somente será publicado quando aprovado pelo editor do site.

    Siga esta matéria

    Informe seu nome e e-mail abaixo para o sistema enviar um aviso quando houver atualizações nos comentários desta matéria.

    Topo 980x160

    banner4 160x90

    banner1 160x180

    banner2 160x180

    banner2 160x90

    banner1 160x90

    banner3 160x90