Container

Palácio do Comércio

Endereço: Rua Sete de Setembro, 274/7º andar - Centro - Pelotas - RS

Telefone: (53) 3272-1300 - - Twitter: @pelotas13horas

Programa: Pelotas 13 Horas, onde o debate é livre e a opinião independente

Plataforma Portais Eletrônicos

Identifique-se

Painel de Controle

Mala Direta

Clayton Rocha - Trajetória

    Da redação

    Patrimônio Nacional: arquitetura pelotense é reconhecida pelo Iphan

    Reconhecimento ocorreu, por unanimidade, durante 88ª Reunião do Conselho Consultivo.

    Publicado 15/05

    Pelotas pode se orgulhar de seu conjunto arquitetônico. Durante a 88ª Reunião do Conselho Consultivo do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), realizada em Brasília, na manhã desta terça-feira (15), o Conjunto Histórico de Pelotas foi reconhecido, por unanimidade, como patrimônio material, pela importância que possui para a história do país. A prefeita, Paula Mascarenhas, e o secretário de Cultura (Secult), Giorgio Ronna, compuseram a comitiva de representação da cidade.

    A característica do município de valorizar a arquitetura e o patrimônio histórico facilitou a decisão do instituto nacional. O Plano Diretor de Pelotas já prevê a delimitação do entorno poligonal, e o Conjunto Histórico está totalmente inserido nas Zonas de Preservação do Patrimônio Cultural, conforme avaliou o próprio Iphan. Além disso, a preservação da vizinhança e da coisa tombada, nos termos do Decreto-Lei 25/1937, também está assegurada.

    “Um dos argumentos que sustentou o parecer e gerou tranquilidade para que a diretoria do Iphan reconhecesse o Conjunto Histórico foram as legislações municipais que buscaram a preservação do patrimônio de Pelotas, nos anos de 1982, 2000 e 2005”, comentou a chefe do Executivo Municipal.

    A partir de agora, as praças, José Bonifácio, Coronel Pedro Osório, Piratinino de Almeida, Cipriano Barcelos e o Parque Dom Antônio Zattera, conjuntamente com a Charqueada São João e a Chácara da Baronesa, são Patrimônio Cultural Brasileiro.

    O Conjunto Arquitetônico

    Composto por sete regiões históricas e os prédios ao seu redor, a arquitetura de Pelotas é uma riqueza cultural que precisa ser preservada, por representar a história do período charqueador. O conjunto arquitetônico é baseado em conceitos europeus, mas foi a mão de obra escrava que construiu essa beleza, com a produção de tijolos e telhas nas olarias da região.

    “Esse reconhecimento traz incremento às alternativas turísticas, além do acesso mais facilitado aos recursos federais, tanto para a recuperação dos prédios quanto de seus entornos”, comemorou o secretário de Desenvolvimento, Turismo e Inovação (Sdeti), Fernando Estima.

    No projeto, defendido em Brasília pela relatora Marcia Sant'Anna, foram contemplados sete setores de proteção, divididos em tombo integral e parcial, e considerados devido sua representação histórica:

    - Setor da Praça Cypriano Barcellos - Integral da praça e do Chafariz dos Cupidos; parcial de três prédios do entorno;

    - Setor da Praça Coronel Pedro Osório - Integral da praça; Chafariz das Nereidas; conjunto do lago, ilha e pontes; Theatro Sete de Abril, Residências das famílias de José Vieira Viana, Leopoldo Antunes Maciel e Francisco Antunes Maciel; Biblioteca Pública; parcial do Antigo sanitário da ilha, 30 prédios do entorno e o Chafariz das Três Meninas;

    - Setor da Praça José Bonifácio - Integral da praça e a Catedral São Francisco de Paula; parcial do Canalete da rua General Argolo e de nove prédios ao redor;

    - Setor da Praça Piratinino de Almeida - Integral da praça e Caixa d’Água; parcial da Santa Casa de Misericórdia de Pelotas;

    - Setor do Parque Dom Antônio Zattera - Integral do parque e os dois sanitários; parcial de oito prédios do entorno;

    - Setor da Charqueada São João - Integral da sede e da residência; parcial da antiga senzala e das estruturas fabris;

    - Setor da Chácara da Baronesa - Integral da residência (chamada de solar) e da torre do banheiro; parcial da residência pitoresca, do castelinho, da gruta, do jardim e da fonte francesa.

    Com o tombamento federal – alguns prédios já possuíam o tombo municipal ou estadual -, o acesso a recursos para recuperação e preservação será facilitado, e também garantirá a inscrição em três Livros do Tombo Nacional: Livro do Tombo Histórico, Livro do Tombo de Belas Artes e Livro do Tombo Arqueológico, etnográfico e paisagístico.

    Leia mais sobre: Da redação, Geral, Notícias Locais

    Fonte: Adriana Rabassa

    Compartilhe

    Delicious Digg Google Bookmarks Mixx MySpace Reddit Sphinn StumbleUpon Technorati RSS

    Deixe um comentário

    ATENÇÃO: O comentário não exige identificação e somente será publicado quando aprovado pelo editor do site.

    Siga esta matéria

    Informe seu nome e e-mail abaixo para o sistema enviar um aviso quando houver atualizações nos comentários desta matéria.

    Topo 980x160

    banner4 160x90

    banner1 160x180

    banner2 160x180

    banner2 160x90

    banner1 160x90

    banner3 160x90