Container

Palácio do Comércio

Endereço: Rua Sete de Setembro, 274/7º andar - Centro - Pelotas - RS

Telefone: (53) 3307-0313 - - Twitter: @pelotas13horas

Programa: Pelotas 13 Horas, onde o debate é livre e a opinião independente

Plataforma Portais Eletrônicos

Identifique-se

Painel de Controle

Mala Direta

Clayton Rocha - Trajetória

    Artigos

    O, Captain! My Captain, Fernandão

    Fernandão sempre me pareceu um atleta gentil, educado, sofisticado ao falar, e capaz do exercício de comando como poucos nas linhas dos gramados onde se pratica o futebol.

    Publicado 07/06

    Em 1989, o diretor australiano Peter Weir, lançou o filme “Dead Poets Society” (Sociedade dos Poetas Mortos). Estrelado por Robin Williams, as telas mostraram a chegada de um novo professor de língua e literatura inglesa na conservadora e centenária escola preparatória Welton, no estado de Vermont, Estados Unidos. O docente de tal disciplina é, a exemplo de todos, um homem rígido, sem qualquer flexibilidade interpretativa e adepto de um tipo de disciplinamento militar de seus alunos. O novo professor, contudo (um ex-estudante da mesma escola, e nela bastante destacado), traz consigo novas formas de ensinar e critérios alternativos para lidar com poemas. Seu nome era John Keating, em clara alusão a John Keats, uma expressiva figura do romantismo inglês, escola de literatura vigorante na Grã-Bretanha entre a segunda metade do século XVIII e a primeira do XIX. Pois Keating, um professor emocionante, uma espécie de personificação da ruptura necessária com o padrão de ensinamento da instituição, logo vai ensinando a seus discentes a expressão “O, Captain! My Captain!, reverberando em sala de aula o título de famosa poesia de Walt Whitman dedicada a Abraham Lincoln.
     
    Keating ensina-lhes a frase de Horácio, poeta latino que viveu pouco antes da Era Cristã, “carpe diem”, para lhes dizer que “aproveitem o dia”, pois o futuro é impreciso e não antecipável. Sugere que o chamem assim, de “capitão”, ao mesmo tempo em que os leva a uma caverna onde, aos tempos em que era aluno, criara com seus colegas uma agremiação a que deram o nome de “Sociedade dos Poetas Mortos”, onde liam poema e também os escreviam, sempre sem darem notícia aos dirigentes escolares, ou mesmo a qualquer professor. A aventura juvenil produzia um entusiasmo poético em seus membros, e lhes aumentava a criatividade e a capacidade de amarem, partilhando as belas coisas da literatura e aprendendo a doce estruturação estética do mundo dos poetas.
     
    Ao começo desta madrugada, faleceu Fernando Lúcio da Costa, o Fernandão, ex-capitão colorado na conquista da Taça Libertadores da América e do Mundial Interclubes de 2006.
     
    Fernandão sempre me pareceu um atleta gentil, educado, sofisticado ao falar, e capaz do exercício de comando como poucos nas linhas dos gramados onde se pratica o futebol. Não digo isso porque o Sport Club Internacional é o clube do meu coração, o escrete que me enfeitiça desde criança, e a cujos títulos nacionais (1975, 1976 e 1979) tive a oportunidade de assistir ao vivo, no Estádio Beira-Rio, ao tempo em que, circundando o campo, havia um anel humano circundando-o por inteiro, conhecido por “coréia”, que aquele tempo – e em reverência a ele – escrevo aqui com acento, existente e obrigatório àquela época na grafia portuguesa. Pois quis o destino que Fernandão fosse o único capitão de meu time que nos conduziu à vitória em um campeonato mundial, cujo galardão do título ainda muito honra, e honrará para sempre, este torcedor e os seus companheiros torcedores da equipe da Padre Cacique.
     
    Não sei o que escrever sobre uma juventude que se termina em uma queda de helicóptero (esses aparelhos não parecem ter sido criados para bem voar...). Não sei o que escrever sobre um homem, pouco mais do que um menino, que tanto admirei por suas qualidades em campo (sempre muito técnico e com muita noção espacial) e por sua elegância expressional. Ele falava como jogava, distribuindo bem as coisas, encontrando a palavra certa como quem localiza um pequeno local embaixo das goleiras para ali enfiar uma precisa bola. Não sei o que dizer de um atleta que, por conta dessas magias do encanto inexplicável, se tornou admirado por um professor de filosofia como eu, habitualmente apreciador de outra organização do pensamento, que não a passional. Não sei o que dizer sobre o estar e o não estar mais; sobre o ser e o não ser mais; sobre o vir para cá um tempo e ir-se para sempre para um lugar que meramente imaginamos. Não sei o que dizer sobre aquele rapaz de cabelos alongados, máscula expressão, beleza física estimuladora do universo feminino. Não sei, enfim, o que dizer sobre o partir cedo quando talvez sempre não pareça a hora de nos irmos.
     
    Vou me despedir de Fernandão de forma simples e por demais elementar, mas não estou convencido de que haja alguma complexidade na vida, a não ser dentro de nós.
     
    Ontem, dentre as brincadeiras que por aqui costumo deixar, brincando com palavras, localizando absurdos, veiculando disparates, procurando algum efeito semântico, escrevi que “a vida é assim, um dia antes do outro. O resto é especulação”. Poucas horas depois, Fernandão, que ainda aqui estava, poderia ter lido algo assim e ter-se visto perfeitamente incorporado ao ontem e ao hoje. Ao amanhã, não estaria mais.
     
    “Carpe diem”, imagino que ele terá vontade de dizer agora, se lhe for possível olhar por sobre a humanidade, esse grupamento formado por seres mortais como mosquitos. Enquanto imagino isso, e dele recordo com a braçadeira do líder, levando adiante meu time com a coragem que é preciso ter para jogar esse esporte, viajando sem parar, recebendo elogios ou críticas ao mero bem ou mal chutar, sorrindo ou chorando em acordo com a aleatoriedade do que lhe proporciona uma profissão que requer o domínio de algo redondo, que gira e se eleva, e não tem dono.
     
    A esse rapaz, a esse homem muito jovem, minhas lembranças me recordam o professor Keating, e eu lhe digo, comovido e desejando que fique em paz e lhe seja leve a terra:
     
    “O, Captain! My Captain, Fernandão".

    Leia mais sobre: Artigos, Pedro Moacyr Perez da Silveira

    Fonte: Pedro Moacyr - advogado, professor de Filosofia do Direito e Doutor em Educação.

    Compartilhe

    Delicious Digg Google Bookmarks Mixx MySpace Reddit Sphinn StumbleUpon Technorati RSS

    Deixe um comentário

    ATENÇÃO: O comentário não exige identificação e somente será publicado quando aprovado pelo editor do site.

    Siga esta matéria

    Informe seu nome e e-mail abaixo para o sistema enviar um aviso quando houver atualizações nos comentários desta matéria.

    Topo 980x160

    banner4 160x90

    banner1 160x180

    banner2 160x180

    banner2 160x90

    banner1 160x90

    banner3 160x90